“Muitas igrejas já foram fechadas por ordem dos cartéis de drogas e há relatos de pessoas que foram obrigadas a informá-los sempre que visitam determinadas igrejas”

Um casal cristão que lidera uma igreja no centro de Cuernavaca, cidade mexicana que fica no Estado de Morelos, e cujos nomes não serão citados por razões de segurança, mencionaram a um dos colaboradores da Portas Abertas que o crime organizado nessa região está cobrando impostos da igreja. “Ter que pagar aos cartéis de drogas para manter a igreja aberta tem sido algo muito comum nessa região”, explica o líder que já trabalha no México há mais de 15 anos. Segundo ele, essa é a forma de extorsão mais comum e que não tem sido denunciada.

“De acordo com funcionários do governo, apenas 10% dos casos são formalmente levados ao tribunal. E essa é a ameaça mais significativa para a vida da igreja mexicana”, disse o colaborador. Ao lado da extorsão, vem o sequestro que também é outra ameaça que prevalece contra os fiéis. “Essas atividades criminosas têm sido a maior fonte de renda dos traficantes e tem assustado os cristãos. Assisitir a um culto é uma prática perigosa. Os adoradores de Jesus também correm o risco de serem atacados violentamente a qualquer momento. Já existem áreas em que os serviços da igreja não são permitidos”, alerta ele.

“Muitas igrejas já foram fechadas por ordem dos cartéis de drogas e há relatos de pessoas que foram obrigadas a informá-los sempre que visitam determinadas igrejas. Pregar o evangelho em lugares onde o crime organizado tem vantagem é realmente um empreendimento muito arriscado. Falar contra a injustiça, seja publicamente ou do púlpito pode resultar em várias formas de intimidação, até mesmo espancamentos, ataques a casas ou igrejas e assassinatos”, explica o colaborador. De acordo com fontes locais, na última década, 31 líderes cristãos já foram mortos no México, possivelmente pelo crime organizado. Ore pelos cristãos perseguidos no México.

Fonte: https://www.portasabertas.org.br

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.