Ele tem apenas 16 anos, mas ao contrário de muitos alunos, Kelvin Márcio Sales Pereira tem um apreço pela área de exatas. Tanto que já é detentor de sua própria fórmula química registrada em cartório, a Fórmula de Kelvin.

O aluno cristão criou uma fórmula química para encontrar o Nox de um metal eletrolisado, a massa eletrolisada ou a massa atômica do mesmo. O NOX é o número de oxidação que indica o número de elétrons que um átomo ou íon perde ou ganha para adquirir estabilidade.

De acordo com Kelvin, a fórmula que já foi registrada em cartório deverá ser encaminhada para avaliação do Conselho Internacional de Química. O estudante também já está aprovado para o 3º ano do Ensino Médio no Colégio Militar da Polícia Militar Waldocke Fricke de Lira (3º CMPM), na comunidade Parque São Pedro.

Veio de Deus

Em entrevista para a Veja, o jovem afirma que foi Deus quem lhe enviou o número certo para chegar à fórmula. “Estava estudando sobre eletrólise no meu curso pré-vestibular. Durante a resolução de um exercício, percebi uma lógica entre a massa atômica, a massa eletrolisada e o NOX do metal. Gosto de tentar encontrar maneiras mais simples de resolver os problemas. Então, criei um macete, que resultou na fórmula”, explicou.

“Em um primeiro momento, cometi um erro, multiplicando por um número inadequado. Ainda assim, eu sabia que poderia chegar em uma resposta e, então, acredito que Deus me enviou o número certo e eu cheguei à fórmula final”, disse.

Ele coloca o crédito em Deus por obter a equação. “Tive uma inspiração divina”, completa o aluno que ainda não acredita ter sido o autor da fórmula. “A ficha ainda não caiu. Não esperava alcançá-la pois é uma coisa demorada para conseguir”, pontuou Kelvin que é da Igreja Adventista.

Utilidade da fórmula

Ele ainda explica como a fórmula pode facilitar as coisas. “A fórmula é de extrema importância na área industrial porque pode ser utilizada na produção de alumínio na etapa da redução eletrolítica da alumina (óxido de alumínio, composto químico usado na produção de alumínio, abrasivos, refratários, isolantes elétricos e como catalisador em cromatografia), mas também para outras funções como folhagem de joias e revestir materiais para protegê-los da corrosão”, explanou.

Confira a reportegem do jornal A Crítica:

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DE A CRÍTICA E VEJA

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.