A Inglaterra e a França proíbem os cultos, fortes restrições são implementadas na Suíça.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO EVANGELICAL FOCUS

A temida “segunda onda” do vírus Covid-19 está atingindo a Europa e os governos implementaram novas restrições que, em muitos casos, afetarão as igrejas.

Muitos líderes evangélicos reagiram às fortes restrições. Uma primeira carta aberta chamada Primeiro Ministro Boris Johnson para entender que “o culto público da igreja cristã é particularmente essencial para o bem-estar de nossa nação”. Eles pediram para “encontrar maneiras de proteger aqueles que realmente são vulneráveis ​​à Covid-19 sem restrições desnecessárias e autoritárias”.

Esta semana, uma segunda carta aberta assinada por mais de 1.000 líderes da igreja foi enviada ao governo e membros do Parlamento. “As igrejas fazem de tudo para garantir que a adoração não seja suspensa novamente. (…) Frequentar a igreja agora apresenta um risco muito baixo de transmissão do vírus, muito menor do que muitas das atividades que permanecerão abertas durante este próximo bloqueio”, disse.

“É uma questão de grande aflição para nós e para o povo cristão que o governo da nação que amamos nos proíba de nos reunirmos para adorar a Deus que reivindica nossa mais alta lealdade; especialmente quando isso foi feito sem razões claras de por que é necessário”, relatam.

“Mês de oração”

Os bispos anglicanos também lamentaram que o governo não os consultou sobre o anunciado, mas pediu para transformar a falta de reuniões na igreja em um “mês de oração” e uma oportunidade de retornar às “disciplinas espirituais fundamentais que moldam nossa vida cristã”.

Além disso, setenta líderes da igreja assinaram uma carta de “pré-ação” dizendo que buscarão ação legal para derrubar a proibição de reuniões da igreja.

No País de Gales, alguns líderes evangélicos disseram que o chamado “bloqueio corta-fogo” ordenado pelas autoridades regionais (que proíbe reuniões na igreja por três domingos consecutivos, entre outras restrições) foi uma “interferência extrema” na liberdade de pensamento, consciência e religião.

A Evangelical Alliance UK publicou um artigo de análise em seu site no dia 2 de novembro, dizendo que “a ausência de qualquer evidência apresentada de que igrejas – ou quaisquer outros locais de culto – são fontes de transmissão comunitária torna seu fechamento mais difícil de ouvir”. A EAUK irá “pedir ao governo que forneça evidências que confirmem como o fechamento de edifícios de igrejas ajudará a deter a propagação do vírus”.

A maioria dessas avaliações críticas das decisões do governo incluiu gratidão aos trabalhadores dos serviços de saúde e um claro compromisso de continuar a seguir as medidas recomendadas de higiene e distanciamento social.

Na Escócia e na Irlanda do Norte, as igrejas não foram obrigadas a fechar.

Cultos presenciais proibidos na França

Um máximo de 20 pessoas poderão se reunir em locais de culto na França, mas apenas por “razões técnicas” como “preparar e transmitir cultos na internet”, disse o Conselho Nacional dos Cristãos Evangélicos (CNEF).

Os edifícios da igreja podem permanecer abertos, mas apenas para casamentos (limite: 6 assistentes) e funerais (limite: 30 assistentes).

“O CNEF está ciente das dificuldades que surgem nestes meses de crise de saúde na vida das igrejas e obras. Juntos, acreditamos que nosso Deus nos apoiará moral e espiritualmente nas próximas semanas”, disse o corpo evangélico, citando Isaías 30:15. “Cremos que a mensagem da salvação em Cristo é ainda mais pertinente: deixe-a brilhar através das nossas ações e palavras”.

Restrições pesadas na Suíça

Na Suíça, as reuniões em locais de culto estão agora limitadas a um máximo de 50 pessoas, mas os cantões regionais usaram sua capacidade para reduzir ainda mais esse número. A capital Berna e sua região só permitirão encontros religiosos de 15 pessoas, e Valais reduz esse número para 10 participantes.

A Aliança Evangélica Suíça encorajou as igrejas a responder às “muitas inseguranças” com uma “abordagem esperançosa”. As restrições são “dolorosas” e afetam os cidadãos, mas o corpo evangélico não as vê como “uma inadmissível redução da liberdade religiosa”.

Junto com a federação de igrejas livres, a Alliance conduziu uma pesquisa “Igreja e Coroa” na qual eles descobriram que as igrejas estão procurando “encontrar um bom equilíbrio entre reuniões online e pequenos grupos”, a “criação de espaços para as pessoas expressarem seu lamento, medos e tristezas” e as “discussões internas nas igrejas sobre o futuro”.

Sem chances drásticas na Alemanha, Áustria e Espanha

Na Alemanha, as novas restrições de ‘lockdown light’ anunciadas pela chanceler Angela Merkel em 29 de outubro não vão mudar a situação das igrejas. Os locais de culto permanecerão abertos e os grupos religiosos decidirão por si próprios se tomarão outras medidas para reduzir o risco de contágio.

Também na Áustria, a situação não muda muito para os locais de culto. A necessidade de respeitar o distanciamento social de 1,5 metro no interior dos edifícios se soma às medidas gerais de lavagem das mãos e uso de máscaras faciais.

A Espanha estava entre os países europeus com as maiores restrições à mobilidade no primeiro bloqueio. Mas como um segundo estado de alarme foi anunciado em outubro, agora são as Comunidades Autônomas que têm o poder de implementar restrições. As igrejas podem permanecer abertas com um máximo de 50% ou 33% de sua capacidade. Apenas em algumas regiões específicas, como Aragão, o canto foi proibido.

Na Itália e em Portugal, novas recomendações do governo não estão mudando a situação das igrejas.

About The Author

Related Posts