Salahi teve uma visão, justamente enquanto estava se preparando para sacrificar um animal, durante um dos maiores festivais islâmicos.

Na última semana de agosto, cerca de dois milhões de muçulmanos fizeram a peregrinação a Meca, conhecida como ‘Hajj’. Considerada um ponto essencial para a fé muçulmana e um dos “cinco pilares do Islã”, todo o seguidor capaz do islamismo deve fazer o ‘Hajj’ pelo menos uma vez na vida, se tiver condições. Segundo a doutrina islâmica, esta peregrinação traz “uma limpeza na alma de quem a faz e um aprofundamento de sua relação com Alá”.

O Hajj ocorre junto com a ‘Eid-al-Adha’, a época mais sagrada do ano para os seguidores do Islã. Também conhecido como o Festival do Sacrifício, os muçulmanos de todas as partes do mundo são obrigados a fazer uma celebração anual, que geralmente dura quatro dias.

O Festival do Sacrifício comemora o ‘quase sacrifício’ de Isaque por seu pai Abraão. Os muçulmanos consideram Ismael como filho primongênito de Abraão, sendo que ele nasceu antes de Isaque, porém de uma relação do patriarca com da serva de Sarah, Agar. Cristãos e judeus, naturalmente, consideram que Isaque é o “filho da promessa”, por ter nascido da esposa de Abraão, Sarah (Gênesis 22). Em ambas as versões da história (islâmica, e judaico-cristã), Deus fornece um carneiro como uma oferta de sacrifício em vez disso e considera a vontade de Abraão de sacrificar seu próprio filho como um supremo ato de obediência.

À medida que o Festival anual de Sacrifícios, que foi celebrado por muçulmanos em todo o mundo na semana passada, um pastor da organização ‘Bíblias para o Oriente Médio‘ que vive e trabalha na Ásia Central vivenciou um encontro marcante com alguns homens muçulmanos que se preparavam para fazer seus sacrifícios de animais no evento. Considerando que os cristãos minoritários têm sido contínua e brutalmente perseguidos neste país, os nomes citados nesta matéria são fictícios e o local específico onde ocorreram estes fatos não será revelado.

Omar e Salahi, dois jovens muçulmanos, que trabalavam como açougueiros, levavam várias vacas ao matadouro na manhã daquela quinta-feira, preparando-se para a celebração do próximo dia. O Pastor Masih* e outros dois evangelistas da organização Bíblias para o Oriente Médio encontraram os dois jovens encontrá-los ao longo da estrada e se juntaram a eles em sua caminhada. O ‘encontro casual’ chamou a atenção por sua semelhança ao encontro de Felipe com o eunuco etíope em uma estrada empoeirada na África – conforme registrado em Atos 8:26 -40.

Na história bíblica, o etíope estava lendo: “Como uma ovelha, ele foi levado ao matadouro, e como um cordeiro antes que seu cortador fique em silêncio, então ele não abriu a boca. Na sua humilhação, a justiça lhe foi negada. Quem vai contar a sua posteridade? Porque a sua vida é tirada da terra”. Felipe, inteiramente direcionado por Deus, conversou com aquele homem de forma apresentou a mensagem do Evangelho a Ele.

“Não podemos deixar de pensar que o Pastor Masih foi liderado de forma semelhante”, disse um relato da Bíblias para o Oriente Médio em sua publicação.

Ousadia

“Por que vocês estão matando animais para o Eid al-Adha?”, Perguntou o pastor Masih aos dois jovens. Como ex-muçulmano que vivia em um país dominado pelos muçulmanos, ele conhecia bem a resposta, mas queria estabelecer um contato com aqueles jovens.

Os rapazes então falaram sobre a razão pela qual estavam se empenhando em participar tão ativamente daquele evento, sacrificando seus animais.

“É a vaca qurbani, o sacrifício para Alá, como o nosso antepassado Abraão nos ensinou a fazer”, respondeu Omar. [Qurbani, conforme referido na lei islâmica, é a palavra árabe para o sacrifício de um animal durante o Eid al-Adha. A palavra está relacionada ao hebraico קרבן corban, que se refere à oferta].

“Ele tentou sacrificar seu filho mais velho, Ismael, filho de Agar, como Alá lhe disse para fazer”, continuou Omar. “Mas depois Deus não permitiu que ele matasse seu filho, então ele sacrificou um animal em vez disso. Estamos fazendo o mesmo com a vaca qurbani”.

Mas o pastor Masih estava pronto com sua resposta bíblica, para debater como aqueles jovens.

“De acordo com a palavra de Deus, não precisamos mais sacrificar animais ou pássaros para que sejamos”, explicou aos homens. “Isso é porque Jesus Cristo, o filho do nosso Deus Altíssimo sozinho, fez este sacrifício uma vez por nós, para tornar desnecessários todos os outros sacrifícios. Por sua morte sacrificial na cruz do Calvário e sua ressurreição dentre os mortos, estamos sendo redimidos e nos tornamos filhos de Deus. Acredite em Jesus e não sacrifique mais essas qurbanis”.

O argumento do pastor à resposta dada pelos jovens muçulmanos os deixou furiosos. Eles estavam prontos para agredir Masih.

“Como você se atreve, bastardo e infiel, a nos dizer uma blasfêmia dessas contra Alá!”, gritaram os rapazes, puxando suas facas de açougueiro para atacar o pastor. “Nós também vamos matá-lo agora!”.

Mas apesar do perigo, pastor Masih e seus amigos evangelistas conseguiram fugir para a segurança.

Os jovens açougueiros continuaram sua viagem para levar as vacas ao local do matadouro. Uma vez lá, eles e seus assistentes começaram a preparar um dos animais para sacrifício, atando fortemente as pernas dianteiras e traseiras da vaca com corda grossa. Eles empurraram o animal para baixo. Omar tirou a faca e a colocou no pescoço do animal. Mas a vaca simultaneamente sacudiu a cabeça, fazendo com que a lâmina se desviasse e cortasse a corda, soltando a pata dianteira. Com uma pata solta, a vaca chutou Omar no peito, jogando-o no chão. Seu peito ficou seriamente ferido e começou a sangrar.

Seus ajudantes o levaram para o hospital. Quando chegou, O rapaz havia perdido muito sangue. Os médicos alertaram que ele tinha apenas 5% de chance de sobrevivência. Tudo o que seus amigos podiam fazer era interná-lo na UTI e doar bastante sangue para ele.

Durante três dias, Salahi sentou-se ao lado de seu amigo no hospital e orou por Omar. “Se ele morrer”, pensou, “certamente será considerado uma morte sacrificial diante de Alá e ele irá diretamente para o paraíso. Isso teve que ser assim, ele tentou dizer a si mesmo”.

Mas ele não conseguiu dormir. Sempre que fechou os olhos, via seu amigo levando um chute daquele animal, e o o peito do rapaz sangrando.

Visão

Ao amanhecer do quarto dia, ele estava fazendo o ritual de purificação necessário, antes do período islâmico de oração no início da manhã. Enquanto ele se lavava, olhou para cima e viu um anjo diante dele.

“Deixe essas coisas que são inúteis para o Deus vivo, que criou o céu e a terra”, disse o anjo. “Adore somente a Ele, em Espírito e em Verdade. Ele enviou Seu único Filho para salvar o mundo. Ele é Jesus Cristo, filho do Deus Altíssimo e descendente de Davi, ressuscitado dentre os mortos. Este é o verdadeiro Evangelho”.

Salahi mal podia acreditar no que estava vendo e ouvindo. O anjo falou novamente. “Venha comigo. Eu o guiarei para os profetas do Senhor. Eles irão guiá-lo”.

O anjo começou a se afastar. Salahi terminou abruptamente seu ritual de lavagem e começou a seguir o caminho que o anjo lhe apontara.

Salahi ainda não tem certeza se ele realmente percorreu aquele caminho sozinho ou se o anjo o carregou, mas quando ele tomou conhecimento do que estava à sua volta, se encontrou diante do Pastor Masih e outros em uma igreja doméstica subterrânea, onde cristãos costumam se reunir, escondidos.

O pastor Masih e outros cristãos estavam em uma reunião de oração, e Deus já havia revelado ao pastor sobre a chegada iminente de Salahi, ordenando que jovem muçulmano fosse recebido. Na chegada à igreja, o anjo desapareceu e não foi visto pelo pastor, somente por Salahi. O jovem explicou o que aconteceu. O pastor, um ex-muçulmano, contou seu próprio testemunho e explicou mais sobre Jesus Cristo e a salvação, que é possível somente Nele.

Nova vida

Era domingo de manhã, então o grupo preparou-se para o culto que aconteceria naquele local. Durante o culto, Salahi aceitou o Senhor Jesus como seu salvador pessoal e Senhor, declarando perante a igreja sua nova fé. Os membros da Igreja se alegraram e, ao saberem da situação de Omar, oraram pelo rapaz que estava em estado crítico no hospital.

Naquela noite, o Pastor Masih, Salahi e alguns outros crentes foram visitar Omar no hospital. O pastor só poderia orar silenciosamente pela cura e salvação daquele jovem gravemente ferido, por causa dos perigos que os cristãos enfrentam naquela região. Enquanto os membros da igreja estavam ao lado de sua cama, Omar abriu os olhos, mas não conseguiu falar.

Salahi agora congrega na igreja do Pastor Masih. A igreja continua a orar por Omar e acredita que não só ele, mas toda a nação será salva.

Vários grupos extremistas promovem ativamente o terrorismo nesta região da Ásia central, e os relatórios são que o governo não faz nada para detê-los.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DA BIBLES FOR MIDEAST

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.