Lare Figueiredo disse que sua anorexia era fruto do bullying que sofreu na infância.

A youtuber cristã Lare Figueiredo testemunhou em seu canal como venceu o distúrbio alimentar. Seu caso era grave, ela teve anorexia, bulimia e também chegou a se cortar. No vídeo, a jovem revela o que faltava para ser libertada. Pode parecer simples, mas o perdão fez toda diferença. Ela explica o que aconteceu em seu passado.

“Quando eu era pequena, eu comecei a fazer amizade com dois irmãos que moravam no prédio do lado do meu. A gente começou a virar amigo, mas eles se mudaram para uma casa perto da escola que eu estudava e eles começaram a estudar nessa escola. Quando eu os vi, eles resolveram não falar mais comigo e começaram a inventar apelidos para mim referente ao meu sobrenome, a minha aparência, ao meu corpo e também faziam umas brincadeiras um pouco pesadas”, contou.

“Eu estava lanchando com as minhas amigas e eles jogavam areia no meu lanche, em mim. Até que um dia eu estava na saída da escola, minha mãe demorou para me pegar, no que eu atravessei a rua estavam esses rapazes e eles vieram para cima de mim e começaram a me bater. Os meninos mais velhos vieram me defender. Se não fossem esses meninos mais velhos eu nem sei o que seria de mim”, lembrou.

Mudança

Em busca de mudança, ela mudou de cidade. “Não demorou muito e eu vim embora para a cidade que eu moro hoje e eu comecei a estudar em uma escola que não era particular, mas é como se fosse. As turmas estudam juntas desde o pré. Então, eu peguei um monte de adolescentes estudando juntos há anos e aí as pessoas começaram a não gostar de mim porque eu era menina nova e várias outras coisas aconteceram ao longo dos anos, do   sexto ano até o início do nono ano”, ressaltou Lare.

“Eu comecei a me tornar uma adolescente muito triste. Tenho quase certeza que eu tive um início de depressão, porque muitas vezes eu não quis mais viver, eu só ficava em casa chorando. Quando eu tinha 14 anos e eu estava no nono ano e as coisas estavam começando a mudar, eu simplesmente tomei uma decisão. Decidi que tudo o que eu comesse, eu ia jogar fora e foi o que eu fiz. Mas, chegou em um ponto em que eu tomava água e eu queria vomitar”, pontuou.

“Quando eu brigava com a minha mãe, eu ficava muito mal e corria para o banheiro e mesmo que eu não tivesse comido nada eu tentava de alguma forma vomitar. Quem já teve transtorno alimentar entende o que eu vou falar, porque o transtorno não está só em você comer e querer vomitar. É muito além disso, são coisas que vão mexendo com a sua cabeça, sua mente e tu vai ficando com o teu psicológico totalmente abalado e transtornado”, comentou.

“Fazer essas coisas e ninguém saber era um peso. Por causa de todas aquelas coisas que tinham acontecido comigo eu não conseguia gostar do meu corpo do jeito que ele era. Por muitas vezes eu tentei parar e disse para mim que não ia mais vomitar ou tomar remédios. Pedi a Deus que me ajudasse nisso, mas o pior são as vozes que estão na tua mente. Porque uma diz para não comer e a outra diz: ‘Come, depois tu tem como jogar fora’. Então eu fui ao retiro da minha igreja, eu estava super bem com Deus”, lembrou.

Transformação

“Eu achei que só ia me sentir bem porque estaria com Jesus. Teve uma ministração lá e eu comecei a entender. O Espírito Santo me fez voltar a mente todas essas coisas que tinham acontecido comigo e outras coisas que eu nem lembrava, porque eu precisava perdoar. Eu não entendi aquilo tudo que acontecia comigo, mas era era porque eu não tinha perdoado as pessoas que tinham feito essas coisas comigo”, esclareceu.

“Achava que a culpa era toda minha e era só por culpa minha que eu tinha aquilo e que eu fazia aquelas coisas. E o Espírito Santo começou a ministrar e a trazer todas essas coisas a minha mente e me fez entender que eu precisava perdoar as pessoas que tinham feito as coisas desde lá da infância para que eu conseguisse realmente me libertar. Eu precisava me perdoar e desconstruir aquela Lare que eu tinha criado na minha cabeça”, comentou.

Confira o testemunho na íntegra:

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.