“As pessoas não querem morrer, querem acabar com a dor que estão sentindo”, diz fundadora.

Centro Débora Mesquita. (Foto: Divulgação)
Centro Débora Mesquita. (Foto: Divulgação)

O suicídio é a segunda causa de morte entre os jovens no país. O mapa da violência mostra que por dia 32 pessoas tiram sua própria vida, vítimas de transtornos mentais. O Brasil tem um déficit muito grande de serviços de tratamento preventivo e por falta de informação, muitas pessoas sofrem sem receber o acompanhamento adequado.

Isso aconteceu na família Mesquita. Após sofrer uma perda traumática e constatar que os serviços de urgência não estão preparados para lidar com a situação, a escritora Késia Mesquita resolveu transformar todo seu sofrimento em esperança e fundou em 2013 o Centro Débora Mesquita. A instituição oferece acompanhamento psicológico gratuito para pessoas em situação de risco.

“Nós fundamos o centro porque até então não tinha nenhuma ONG evangélica que fizesse esse serviço de prevenção e posvenção do suicídio e que tratasse esse assunto específico”, contou a fundadora.

O instituto entende a importância da informação, por isso também atua conscientizando a sociedade sobre causas, sintomas e tratamentos disponíveis aos transtornos psíquicos.

“Até hoje desde a nossa fundação, não perdemos ninguém, para a glória de Deus. Isso comprova que as pessoas podem sair de uma crise, porque não querem morrer, na verdade querem acabar com a dor que estão sentindo no momento”, conta.

O centro atua com 20 profissionais voluntários, dentre eles psicólogos e palestrantes. “A depressão tem tratamento, os transtornos têm tratamento e eles podem sim ser prevenidos se as pessoas conhecerem os sinais, os dispositivos de saúde mental”, disse Késia fazendo um alerta em seguida.

Resultado de imagem para Centro Débora Mesquita
Cristina Mel no Centro Débora Mesquita. (Foto: Divulgação)
Resultado de imagem para Centro Débora MesquitapróximoCentro Débora Mesquita participa de espaço promovido por estudantes da UFPI
Resultado de imagem para Centro Débora Mesquita
Cristina Mel no Centro Débora Mesquita. (Foto: Divulgação)

“Precisamos entender que a pessoa que crê em Deus por mais espiritual que seja ela também possui um sistema nervoso e também está vulnerável a esse tipo de doença. Sabemos que a fé é um fator de proteção, mas isso não torna a pessoa imune à doença”, explica.

A instituição foi fundada um ano após Késia perder sua irmã Débora Mesquita, que sofria de transtorno bipolar. Após passar pela experiência traumática, a jovem também teve um episódio depressivo grave e se não fosse ajuda psicológica e espiritual que recebeu, não estaria viva para contar a história e dar início ao projeto.

Débora Mesquita
Débora Mesquita, jovem vítima de transtorno mental que deu nome ao centro. (Foto: Divulgação)

Durante esse período, Késia percebeu que muitas famílias sofriam por ter alguém com transtorno e não tinham informação sobre como agir em momentos de crise.

“Depois que eu adoeci, vi que faltava informação quanto aos transtornos mentais e tratamentos. Ainda há um estigma muito grande em relação as pessoas que precisam de ajuda, principalmente dentro das igrejas. Há uma tendência das pessoas espiritualizarem tudo e muitas pessoas depois que entram pra igreja tendem a largar o tratamento. Por causa disso, muitas vezes essas pessoas precisam ser internadas muito piores do que na situação anterior”, contou.

O centro hoje é reconhecido como instituição de utilidade pública e pioneiro na região com esse tipo de tratamento. Mesmo assim não conta com ajuda governamental e é mantido unicamente através de doações. Quem puder ajudar, pode fazer a sua contribuição diretamente no site do instituto.

Fonte: https://www.gospelprime.com.br/

Leave a Reply

Your email address will not be published.