A cristã paquistanesa Asia Bibi passou seu sétimo Natal na prisão depois que seu apelo à sentença de morte foi suspenso em outubro, quando um juiz se recusou a ouvir o caso. A mãe de cinco filhos foi condenada à morte em 2010 por acusações de blasfêmia depois que dois colegas muçulmanos a acusaram de insultar o profeta muçulmano Muhammad, algo que ela nega.

A alegação de blasfêmia de Bibi vem de uma briga em junho de 2009 que ela teve com um grupo de muçulmanas na cidade de Sheikhupura, na província de Punjab. As mulheres estavam colhendo bagas e as muçulmanas ficaram furiosas quando Bibi bebeu da mesma tigela de água que elas bebiam.

Como Bibi era cristã, as mulheres a consideravam impura. Depois de uma discussão entre elas, as muçulmanas foram à polícia e acusaram Bibi de dizer algo como “Meu Cristo morreu por mim, o que fez Muhammad por você?”

Bibi deveria descobrir em outubro, em uma audiência de apelação final no Supremo Tribunal do Paquistão, se ela seria ou não executada, mas essa decisão foi adiada indefinidamente depois que um dos juízes seniores, que estava prestes a presidir a apelação, renunciou de repente. A mídia local disse que o juiz Iqbal Hameed recusou o caso sem dar uma razão específica.

Problemas na lei

William Stark, gerente regional da Ásia do Sul da Internacional Christian Concern (ICC), organização que defende os cristãos perseguidos em todo o mundo, disse em entrevista por telefone para o site The Christian Post que a luta de Bibi é “o principal caso  que mostra os problemas da lei de blasfêmia”.

O caso de Bibi está no que eles chamam de “um período de espera”. “Esperemos que em 2017, o Supremo Tribunal paquistanês forme um novo banco que seja capaz de ouvir seu caso”, disse Stark. “E, francamente, se o caso for ouvido sobre os méritos, a Suprema Corte não tem outra opção senão deixar ela ir”.

Stark ainda disse que está otimista com o caso de Bibi, baseado em decisões recentes dos tribunais sobre os direitos das minorias religiosas e conversas que teve com seu advogado, Saif Malook, que é muçulmano. Se o tribunal rejeitar seu apelo, no entanto, Bibi seria a primeira mulher no Paquistão a ser executada por blasfêmia.

“O caso de Bibi é um relâmpago dentro do próprio Paquistão”, disse Stark, referindo-se ao assassinato em 2011 do governador de Punjab, Salman Taseer, um defensor de Bibi que planejava reformar a lei de blasfêmia do país.

Opressão contra cristãos

Taseer foi acusado por grupos extremistas de cometer blasfêmia, criticando a lei, que supostamente protege os sentimentos muçulmanos. Mas de acordo com grupos de direitos humanos é frequentemente usado para resolver escores pessoais e oprimir cristãos e outras minorias religiosas.

A presa de 51 anos permanece na prisão há mais de seis anos e os relatórios indicaram que sua saúde está acabando. Em junho passado, um documento indicou que Bibi teve dificuldade para andar e também vomitou sangue dentro de sua cela.

Menos de 2% dos paquistaneses se identificam como cristãos. O país permanece entre os piores perseguidores de cristãos, ocupando o sexto lugar na lista mundial do Ministério Portas Abertas.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO CHRISTIAN POST

Leave a Reply

Your email address will not be published.