Rahil Patel estava questionando o hinduísmo quando passou em frente de uma igreja e resolveu entrar.

A jornada de fé de Rahil Patel é incrível. Criado em uma casa hindu, ele sabia que um dia seria sacerdote, viajando pelo mundo, pregando a meditação e a adoração de Gurus. Mas apesar de sua vida ir muito bem, Patel estava deprimido, confuso e espiritualmente vazio. Então, ele conheceu a Cristo. Ele contou em entrevista ao site Hello Christian que quando criança estudava em uma escola cristã e que até cantava alguns hinos. Mas, em casa era o hinduísmo que reinava.

“Hinduísmo é, na verdade, uma terminologia geográfica, de onde as pessoas se originaram. A Índia consiste em centenas de diferentes religiões hindus. Alguns comem carne, alguns têm sacrifícios no templo”, disse ele. “Em nossa casa tínhamos uma sala especial dedicada a um santuário com ídolos e estátuas, além da pintura principal do Guru que acreditávamos ser Deus”, diz ele.

“Nós nunca comíamos carne, nunca bebíamos álcool. Íamos ao templo todos os sábados e domingos. Esta era a minha vida. Eu tive uma ligeira mudança na minha jornada. Sempre tive uma fome espiritual, mas havia muitos problemas em casa. Meus pais discutiam muito. Eu estava cheio de medo e ansiedade. Por isso, costumava passar mais tempo no templo. Eu fiz amigos lá. Começamos a adorar juntos, servindo na cozinha, aprendendo as escrituras”.

Um mestre, na época, havia pedido a Patel para investir na sua formação como sacerdote. Ele então fugiu de casa para iniciar seu treinamento. “Eu estava tão concentrado, tão fanático que passei seis anos no mosteiro. Muita disciplina e muitos estudos. Você acorda às 4h30 todas as manhãs, têm um banho de água fria. Não é aconselhável usar água morna em seu corpo. Então você tem adoração em comunidade às 6 da manhã. Além disso, existem as tarefas domésticas, limpeza dos banheiros e servir na cozinha”, detalhou.

Patel disse que estava profundamente sozinho no mosteiro. Ele passou a tomar antidepressivos e lutava contra uma batalha interna. Por isso, as dúvidas começaram a crescer e ele começou a experimentar diferentes culturas. “Fui exposto a diferentes padrões de pensamento enquanto viajava pelo mundo”, explica.

“Comecei a ter um fascínio secreto em relação a Jesus. Eu costumava entrar nas Igrejas para ver a arquitetura, mas percebi que havia algo especial na atmosfera. Havia uma bela simplicidade sobre isso. Sentia que havia respostas aqui. Comecei a procurar em outros lugares por alimento espiritual. Comecei a estudar as escrituras hebraicas. Eu vi que não estava mudando, e os sacerdotes à minha volta não estavam mudando. À medida que minha busca crescia, encontrei Cristo nas minhas viagens”, relatou.

“Eu tive esse fascínio pela cruz. Eu senti que havia algo especial lá. Isso lentamente começou a se acumular em meu coração. Eu deixei a denominação hindu em 2011 após 20 anos de serviço. Foi muito doloroso para mim porque o Guru disse algumas coisas muito duras naquela época. Ele me ameaçou e disse que me manteria em aldeias na Índia e não me permitiria ir para o outro lado. Porque eu era muito influente”, contou.

Entrega total

“Um dia eu estava caminhando para a estação de trem e eu vi uma igreja. Havia pessoas na porta saudando todos com incríveis sorrisos. Havia amor. Foi assustador para mim, foi uma coisa tão nova. Eu atravessei as portas principais, e a presença de Deus simplesmente caiu sobre mim. Era como se um cobertor me cobrisse em paz incrível. Então, ouvi um sussurro: ‘Você está em casa’. Foi a primeira vez que vi adoração com guitarras e bateria. Eu senti uma incrível alegria no meu coração”, lembrou.

“Eu era conhecido por ser uma pessoa muito difícil de convencer. Ninguém me convenceu de Cristo. Eu apenas dei minha vida a Ele. Naquele momento, não posso dizer que houve uma razão racional. Havia uma profunda sensação de paz, amor e alegria. Então, o momento mais poderoso de sua vida aconteceu. Ele foi tocado pelo Espírito Santo. Eu não tinha dinheiro. Meu amigo me expulsou do hotel porque eu estava indo para a Igreja.

Uma noite, ele foi para a Igreja, sentindo-se muito triste com a situação em que se encontrava. “Uma senhora veio e colocou a mão no meu ombro, e eu tive um momento poderoso com o Espírito Santo. Eu fui batizado e senti o rio profundo que veio fluindo. Foi uma alegria e isso mudou tudo de dentro para fora. Foi quando eu percebi que Jesus Cristo estava vivo. Ele não era apenas uma filosofia ou uma instituição. Ele é real”, finalizou.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO HELLO CHRISTIAN

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.