China quer usar temática para reforçar os laços com o Oriente Médio.

por Jarbas Aragão

Imagine uma Disneylândia focada em promover o Islã e o comunismo. Essa é a proposta do Parque Cultural Hui ou, como é mais conhecido, Parque Mundo Muçulmano. Em construção desde 2012, foram gastos cerca de quatro bilhões de dólares no empreendimento.

O objetivo desse local, que é estranhamente apoiado pelo governo chinês, é criar “pontes” com os cerca de um bilhão de islâmicos do mundo. Paradoxalmente, o partido comunista que governa o país faz uma perseguição constante a toda forma de religião.

Os chineses da minoria uigur, de tradição muçulmana, foram proibidos de jejuar durante o Ramadã no ano passado. Ao mesmo tempo, centenas de igrejas cristãs foram demolidas, tiveram suas cruzes arrancadas e viram seus pastores serem presos.

Não está claro ainda como o parque irá divulgar essa mistura esdrúxula de islamismo e comunismo, mas segundo o The Independent, seus idealizadores tentam agradar o governo chinês e por isso tentarão elogiar o sistema, sem mencionar que existe perseguição religiosa no país.

A inauguração deve ocorrer em 2020, mas as autoridades chinesas pretendem capitalizar com visitantes muçulmanos vindos de todo o mundo. O parque foi edificado na pequena cidade de Yinchuan, na região norte, onde vive a maior parte dos chineses que seguem a Maomé.

O aeroporto local terá um novo terminal Internacional, que receberá voos diretos do Oriente Médio e do sul da Ásia.

Segundo o que foi divulgado, as visitantes terão a opção de usar roupas típicas (véu cobrindo a cabeça) e todos precisarão tirar os sapatos para entrar no “palácio dourado”. Haverá apresentações musicais, que incluem uma versão de As Mil e Uma Noites e um museu de cultura árabe. Fonte: https://noticias.gospelprime.com.br

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.