Depois de sobreviver a inúmeras torturas provocadas pelo regime nazista, Magda Herzberger, de 90 anos, é testemunha da força e do poder de Deus.

“Deus tinha um propósito em me salvar, para que eu pudesse contar a minha história”, disse  ela ao site God Reports.

Magda tinha 17 anos quando as tropas alemãs invadiram sua cidade natal, Cluj, na Romênia, em 1944. Ela, sua família e outros judeus foram levados em veículos para o campo de concentração nazista em Auschwitz, na Polônia, onde mais de um milhão pessoas foram mortas.

A jovem foi detida em um quartel que abrigava outras 500 mulheres. Apesar das dificuldades que enfrentou, Herzberger disse que suas orações eram respondidas em pequenos milagres feitos por Deus.

Depois de sete semanas, Magda foi transferida para um segundo campo de trabalho, onde 500 jovens haviam sido selecionadas para o trabalho escravo, sendo encarregadas de limpar os entulhos e corpos de pessoas mortas por ataques aéreos nas ruas.

Mais tarde, os alemães transferiram os trabalhadores judeus para Bergen-Belsen, que foram forçados a fazer uma caminhada de três dias a pé. “Quem não conseguia mais caminhar era baleado”, Magda lembra.

Para ela, o campo de Bergen-Belsen era o inferno vivo na terra. “O acampamento estava repleto de cadáveres em todas as fases de decomposição”, ela lembra. “Os quartéis estavam cheios de ratos, piolhos e cadáveres. Os prisioneiros estavam tão fracos que não conseguiam carregar seus mortos. Os prisioneiros pareciam esqueletos ambulantes”.

Diversas doenças mataram inúmeros prisioneiros judeus. Para evitar contaminação, Magda dormia no chão, ao ar livre — mesmo que isso significasse dormir ao lado de cadáveres podres.

Vida por um fio

Em sua terceira semana em Bergen-Belsen, Magda desabou sobre pilhas de cadáveres que estavam a seu redor. Naquele instante, ela já não sentia mais fome ou sede e estava pronta para enfrentar a morte.

No entanto, Deus não permitiu que isso acontecesse. Naquele momento, as tropas britânicas invadiram campo e resgataram as pessoas que estavam vivas. Magda estava entre elas.

“Eu estava deitada entre os cadáveres e não conseguia falar ou me mexer”, ela lembra. “Até que o feliz soldado me encontrou em meio a pilha de cadáveres. Você não acha que foi a vontade de Deus me salvar?”.

Nos últimos 41 anos, Magda passou a palestrar em escolas, igrejas e fez aparições na mídia. Hoje, ela afirma que Deus continua a ajudando a sobreviver. “Ele não vai me abandonar”.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DE CHRISTIAN TODAY

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.