A declaração foi dada pelo ex-presidente Lula, durante o seu depoimento sobre as acusações de que ele teria se empenhado em atrapalhar as investigações da Lava Jato.

Na última terça-feira (14), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), prestou depoimento em Brasília, devido ao processo, no qual ele é acusado de tentar obstruir as investigações da Operação Lava Jato.

Seu depoimento foi gravado em vídeo e durou menos de uma hora. Em suas declarações, o líder petista comentou o fato de ter sido apontado pelo ex-senador Delcídio Amaral como o mandante da tentativa de comprar o silêncio do ex-diretor da Petrobrás, Nestor Cerveró, que por sua vez, estava negociando sua delação com os investigadores da Operação Lava Jato.

Lula chamou a acusação de Delcídio de “ilação” (conclusão influenciada por deduções), assegurou que sua relação com Delcídio era meramente “institucional” e que apenas conhecia Cerveró “de vista”.

“Uma ilação feita nesse processo contra mim pelo senador Delcídio. Só tem um brasileiro que podia ter medo do depoimento do Cerveró. Pela relação que tinha com ele que é o Delcídio. Eu não tinha relação com o Cerveró. Portanto eu não tive nenhuma preocupação com o depoimento de nenhum empresário, porque não tinha essa relação com eles”, disse o ex-presidente.

Lula também voltou a fazer uma relação de sua própria pessoa a Deus, quando foi questionado sobre a acusação de José Carlos Bumlai, de que o líder petista teria feito uma intervenção da empresa petróleo e gás “Schahin” pela Petrobrás.

“Se o senhor soubesse quanta gente usa o meu nome em vão… De vez em quando eu fico pensando [que é] para as pessoas lerem a Bíblia para não usar tanto o meu nome em vão”, respondeu Lula.

O depoimento de Lula encerrou a fase de interrogatório dos réus. Um prazo de 10 dias foi dado para que a defesa e a acusação peçam novas diligências.

De acordo com a Polícia Militar, cerca de 15 manifestantes foram dar apoio ao ex-presidente, do lado de fora da 10ª Vara Federal, em Brasília.
Mais do mesmo
Essa não foi a primeira vez que Lula se comparou a Deus. Em setembro de 2016, Lula afirmou em um de seus discursos aos militantes do PT que “só Jesus Cristo ganharia dele”.

“Eu tenho uma história pública aqui no Brasil e acho que só ganha de mim aqui no Brasil, Jesus Cristo. Pense num cabra conhecido e marcado nesse país”, afirmou.

Com tais comparações, Lula acaba tentando se elevar a patamares de poder, honestidade e integridade aos quais nenhum ser humano jamais conseguiu chegar: o divino.

A santidade que envolve o nome de Deus – fazendo com que ele não deva ser proferido em vão – e a perseguição sofrida por Jesus não merecem estar relacionadas às acusações feitas ao ex-presidente. Sua tentativa de se colocar como uma figura bíblica dá sinais do desespero que tem dominado a defesa de Lula.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO G1

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.