Líder cristão do Sudão do Sul esteve preso por não negar a fé e faz alertas surpreendentes

por Jarbas Aragão

Michael Yat e Peter Reith são pastores no Sudão do Sul, mas ambos foram presos no vizinho Sudão. Eles ficaram presos por mais de dois anos, e podiam ter sido condenados à pena de morte. Pesavam contra eles várias acusações sérias como infrações contra crenças religiosas e promoção de ódio religioso. Mas o que realmente preocupava eram a suspeita de espionagem, pois estavam no país vizinho para tarefas relacionadas com a igreja.

Como o Sudão é de maioria islâmica, eles se viram em meio a mesma guerra religiosa que dividiu os dois países em 2011. Porém, nada foi provado e eles saíram da cadeia no início deste ano.

Agora, em entrevista para a equipe da missão International Christian Concern, os dois pastores   falaram sobre o que acontece no país.

Yat conta que foi preso um dia depois de ter pregado numa igreja na capital Cartum. “Eu não tinha ideia que o Sudão tinha declarado a guerra contra os cristãos”, relata. Durante o tempo que ficou preso ele conversou com muitas pessoas e ouviu muita coisa das autoridades.

Segundo ele, o governo sudanês não quer cristãos no país, especialmente aqueles que sabem falar fluentemente o árabe, pois “temem que possam facilmente chegar aos muçulmanos e conquistá-los para Cristo”.

Insiste que esse é o real motivo pelo qual o Sudão está demolindo igrejas e prendendo todos os líderes cristãos por um simples motivo: o temor que os muçulmanos se convertam a Jesus Cristo. “Eles não permitem que os pastores cheguem até os muçulmanos em Cartum, Darfur e as montanhas de Nuba, áreas estritamente dominadas por muçulmanos”, resume.

O pastor Reith lembra que todos viviam em um só país, mas que o Norte historicamente sempre foi dominado pelos islâmicos. Uma guerra sangrenta durou cerca de 12 anos. No final, o Sudão do Sul conseguiu sua independência e muitos cristãos mudaram-se para lá, fugindo da perseguição.

Embora a paz tenha sido declarada seis anos atrás, o Sudão continua impondo dura  perseguição aos cristãos que continuaram no país. Nos últimos meses, dezenas de pastores foram presos pelo governo sudanês, a maioria acusado falsamente de atentar contra a segurança nacional.

O Sudão aparece como o quinto com maior perseguição do mundo em 2017 na lista da Portas Abertas. Desde 1993 que ele sempre aparece entre os 20 primeiros.

Fonte: https://noticias.gospelprime.com.br Com informações Christian Post

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.