Álvaro Ramírez e sua família sofrem perseguição desde que se converteram ao cristianismo.

Os cristãos são duramente afetados pela perseguição religiosa na Colômbia. O grupo religioso se torna vulnerável e instável em sua segurança e também economicamente. A situação é causada por deslocamentos forçados, extorsões e restrições constantes sobre a vida e o trabalho dos povos que creem em Deus.

Há uma  preocupação para que os cristãos crescem não apenas espiritualmente, mas também consigam se sustentar. Por esse motivo, o cuidado integral da Igreja Perseguida envolve o treinamento do grupo perseguido no processo de implementação de sistemas de produção.

Segundo o Ministério Portas Abertas, esses projetos de desenvolvimento socioeconômicos geram oportunidade para os cristãos se auto sustentarem e assim conseguirem compartilharem sua fé em Cristo.

Este é exatamente o caso do pastor Álvaro Ramírez, que um dia já foi um ex-militante colombianoda região de Chocó, lugar onde muitos vivem em extrema pobreza. Ele se converteu há 20 anos e abandonou a vida de guerrilheiro. Desde então, vem sofrendo perseguição, juntamente com sua família. Nesta matéria, seu nome foi alterado por motivos de segurança.

Abençoando vidas

Após sua participação em baterias de treinamentos realizados pelo Ministério Portas Abertas, o pastor Álvaro pôde se equipar para então abençoar outras pessoas com a abertura do próprio negócio, uma padaria.

Ele compartilha com alegria sobre o novo trabalho: “O que fazemos é importante para a comunidade, porque mostra maneiras novas, sustentáveis e éticas de ganhar a vida. Além disso, conseguimos gerar empregos e oferecer treinamento técnico e direcionamento espiritual para nossos funcionários”, comentou.

Para o pastor Álvaro, o trabalho têm sido importante não apenas para gerar emprego e treinar outras pessoas, mas torna-se indispensável para iniciar um processo de mudanças em sua terra. “Meu sonho é capacitar comunidades, ajudá-las no desenvolvimento econômico. Eu fui transformado pelo Evangelho e quero ver vidas sendo transformadas também”, pontuou o líder.

Luta na Colômbia

No ano passado, durante a Assembleia Geral da ONU, o presidente da Colômbia entregou um acordo de paz entre o governo e as FARC (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia). Um plebiscito feito após o acordo mostrou que ele foi rejeitado pela maioria dos cidadãos no país. O acordo de paz foi aplaudido pelo mundo, mas trouxe pouca mudança para aqueles que são perseguidos pelas FARC, como os indígenas convertidos ao cristianismo.

Os ataques de violência contra cristãos são frequentes na Colômbia e se manifestam em forma de tortura, prisão e exílio. Cerca de 30% da população indígena seja de cristãos e cerca de 40% enfrenta a perseguição. Atualmente, existem mais de 400 cristãos indígenas deslocados em razão da perseguição religiosa.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO PORTAS ABERTAS

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.